IMG_7756.jpg

BOTÂNICO

Ao passo que enfrentamos os obstáculos da pandemia como cidadãos, percebemos, como profissionais, uma notável e crescente preocupação com o lar. O confinamento nos mostrou, na prática, como ambientes de qualidade impactam nosso bem-estar e rotina.

Mas, mais do que isso, escancarou a profunda necessidade humana de conexão com a natureza. Nos últimos meses, observamos como consequência, um aumento na adoção e compra de animais domésticos, a mudança na disposição dos móveis para garantir espaço para o banho de sol dentro de casa e o crescimento na venda de plantas e flores.

No tangente ao meio ambiente, o isolamento social e a desaceleração das grandes cidades trouxe cenários inimagináveis para o mundo globalizado. O Himalaia pôde ser visto da Índia pela primeira vez em 30 anos, golfinhos foram avistados em Veneza e a presença de tartarugas foi registrada na Baía de Guanabara.

Durante esse período, poucas coisas se provaram verdadeiramente necessárias, revelando o real valor do essencial. Essa urgência latente de lembrarmos que somos parte da natureza se manifestou no grande movimento de pessoas procurando por contato com o mato e a terra. Voltamos a nossa atenção para o entorno, reconectando-nos com áreas próximas, com a natureza e com paisagens naturais das quais tanto nos distanciamos.

O Botânico é um viveiro de plantas que vem como reação a essas contestações, comunicando leveza, respiro, contemplação, simplicidade e a essência do que acreditamos. A arquitetura foi, é e sempre será uma resposta ao estilo de vida de uma época. Somos um convite ao reencontro com a vida.

Todos os anos, a época de chuvas intensas em Brasília coincide com o período de CasaCor. Para algumas ocasiões, o fenômeno meteorológico é visto como um problema, mas para o Botânico, a chuva oferece uma experiência poética. Para que nenhum visitante perdesse tal oportunidade, detalhamos um totem informativo em serralheria com suporte para guarda-chuvas. Desenvolvemos também um cartão em papel semente para dar continuidade à narrativa que abordamos no Botânico, perdurar o ciclo e estreitar o contato com a terra.

A implantação do Botânico foi guiada por uma sequência de árvores existentes da espécie Ficus benjamina, que abraça o pavilhão e garante sombra. Por isso, para o paisagismo, escolhemos plantas que gostam de meia sombra. Ainda sobre a escolha da vegetação, optamos por espécies de folhas largas, que trazem a sensação de aconchego e adiciona, invariavelmente, um toque tropical ao jardim.

O pátio lateral tem função contemplativa, sugerindo um momento de pausa e respiro. Recebeu mobiliário da linha 22 assinada por Paulo Mendes da Rocha e criada especialmente para o Sesc 24 de Maio.

Com o objetivo de construir uma atmosfera leve, soltamos toda a nossa estrutura de fachada da estrutura de madeira, criando assim um vazio em todo perímetro e também na cobertura, que não toca as paredes. Dessa forma, permitimos a entrada de chuva e garantimos a umidade do viveiro. O vidro Habitat da Cebrace Vidros utilizado possui uma fabricação inteligente que mantém o calor do lado de fora e integra o que há de melhor em design e tecnologia tornando o ambiente mais agradável e criando uma conexão visual entre quem visita e o ambiente externo.

Ano do projeto: 2021

Equippa responsável: Priscila Gabriel, Gabriela Schinzel, Valentina Moura, Virginia Castro, Marina Davi

Crédito fotográfico: Julia Totoli

press to zoom
1
1
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom